domingo, 23 de setembro de 2012

CONSTRUÇÕES INTERESSANTES


CRÉDITOS: REVISTA TÉCHNE Por Renato Faria
http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/185/piramide-londrina-edificio-mais-alto-da-europa-emprega-estrutura-265256-1.asp

Construção invertida
As obras do edifício The Shard começaram em março de 2009 e deveriam ser concluídas antes da Olimpíada de 2012. Como em toda obra de edificações, as etapas de escavação do terreno e das fundações da torre constituíam atividades críticas no planejamento.
A solução encontrada para reduzir em quatro meses o cronograma de execução do empreendimento foi o método da construção invertida, em que as escavações dos três subsolos e o núcleo de concreto eram executados ao mesmo tempo. Primeiro, foi executada a contenção do terreno com estacas escavadas de 90 cm de diâmetro.
Depois, foram escavadas e concretadas as estacas de 1.500 mm de diâmetro a mais de 50 m de profundidade, encabeçadas por pilares metálicos. A precisão do alinhamento vertical é garantida por um sistema de medição a laser, e a estabilidade do conjunto por contraventamentos. Foi feita então a concretagem da laje do térreo, em concreto armado, e da seção inicial do núcleo estrutural da torre. Assim, os trabalhos de escavação dos três subsolos poderiam seguir durante a execução da superestrutura. Todos os trabalhos foram realizados com técnicas que minimizavam as vibrações para não causar danos às construções vizinhas - o canteiro é circundado por edifícios tombados pelo patrimônio histórico, linhas de metrô e redes de infraestrutura urbana.
A laje de fundo do terceiro subsolo, que sob o núcleo de concreto tem 3 m de espessura, precisava ser executada rapidamente para não atrasar a evolução da superestrutura. Em uma atividade contínua que durou 32 horas durante a Páscoa de 2010, foram aplicados cerca de 5,5 mil m³ de concreto, em uma operação que mobilizou cerca de 750 caminhões-betoneira.
No restante da estrutura, foram empregadas 26 diferentes dosagens do concreto, além de bombas de alta pressão, para atender às diferentes necessidades referentes às condições climáticas e à altura onde as concretagens eram realizadas.
1. Primeiro, foram executadas as contenções do terreno, as fundações e os pilares metálicos. 
Em torno da cabeça dos pilares foi executado o trecho inicial do núcleo de concreto.

2. Após a concretagem da laje do térreo, inicia-se a escavação dos três subsolos 
em torno dos pilares devidamente contraventados. 
Ao mesmo tempo, segue a execução da superestrutura.

3. Quando as escavações terminam, finalmente é executado o trecho de subsolo do 
núcleo de concreto, que torna os pilares metálicos redundantes. 
A laje de fundo - que chega a ter 3 m de espessura - é executada de uma só vez, 
em uma operação que aplicou 5.500 m³ de concreto durante 32 horas ininterruptas.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...